quinta-feira, 28 de março de 2013

sexta-feira, 22 de março de 2013

Liberdade... quando convém

Quando Relvas foi impedido de falar no ISCTE, ficou em causa a liberdade de expressão, mas agora, quando querem impedir Sócrates de falar, já não está em causa a liberdade de expressão. E depois temos aqueles que alegam que Relvas, pelas suas polémicas, não tem direito de falar em público e depois defendem o direito de Sócrates falar, mesmo quando discordamos dele. Critérios, portanto. Tudo uma questão de critérios...

quinta-feira, 21 de março de 2013

A campanha continua

Li a notícia com curiosidade e fui ver o texto da petição online. Mas curioso mesmo é o autor da petição ser o líder da concelhia de Sines do CDS e candidato a deputado à Assembleia da República (pelo CDS) nas últimas legislativas. Esta gente continua em campanha...

Adenda: entretanto, surgiu uma outra petição, esta a defender a presença de Sócrates na RTP, com assinaturas repetidas (atentem nos nomes, alguns evidentemente repetidos). A campanha continua e Sócrates continua a fazer mossa na política nacional...

sábado, 16 de março de 2013

Eis os criminosos que nos conduzem à miséria



 
"O primeiro-ministro e presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, considerou na terça-feira à noite que os sociais-democratas têm um «grau de identificação importante» com o programa acordado com a 'troika' e querem cumpri-lo porque acreditam nele.
«É curioso que o programa eleitoral que nós apresentámos no ano passado e aquilo que é o nosso Programa do Governo não têm uma dissintonia muito grande com aquilo que veio a ser o memorando de entendimento celebrado entre Portugal, a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional», declarou Passos Coelho, durante uma sessão com militantes do PSD sobre a revisão do programa do partido, num hotel de Lisboa."
 
 
"O PSD colocou a responsabilidade do desvio das metas do desemprego e contracção económica no facto de o primeiro programa de ajustamento ter sido “mal desenhado”. Reagindo à apresentação das conclusões da sétima avaliação da troika, Miguel Frasquilho afirmou que “estas revisões deixam à vista de todos que o programa original tinha sido mal desenhado, mal concebido e com projecções e efeitos que não tinham aderência nenhuma à realidade”."

sexta-feira, 8 de março de 2013

Bipolarismo

Há coisas que não compreendo, por muito que tente. Imagine, caro (a) leitor (a), que se encontra no seu posto de trabalho, a realizar as tarefas que lhe estão adstritas, e comete um erro. Por exemplo, engana-se numa conta. Um conjunto de pessoas que por ali andam apercebe-se do erro que cometeu e começa a assobiá-lo (a). Acha bem? Claro que não. Para além de o erro fazer parte da natureza humana, os assobios acabam sempre por desconcentrar, causando, muito provavelmente, uma queda na produtividade e na confiança em si próprio (a) e um aumento do número de erros cometidos. Pois bem, foi isso que fez grande parte dos adeptos que ontem se deslocaram ao Estádio da Luz. Sim, o Benfica jogou mal, estava "em dia não". Mas desde os primeiros minutos, desde o primeiro erro, que começaram a assobiar. Não terá isso, também, contribuído para a desmotivação e consequente má prestação? O Benfica venceu, não sofreu golos (coisa importante nas andanças das competiçoes europeias) mas mesmo assim assobiaram. Sim, é verdade que pagaram (muitos foram de borla, com convites oferecidos na véspera para encher um pouco mais a 'casa') para um espectáculo, mas, ao contrário de tantos outros, este espectáculo não é ensaiado, nem gravado, com direito a repetições até a coisa sair bem, como no cinema ou no teatro, por exemplo. A coisa ou sai bem ou sai mal e há dias bons e dias maus. Umas vezes, as coisas correm bem, saiem bem, outras não. Ontem foi um dia desses. E mesmo assim conseguiu um resultado positivo. Este texto desenvolve este bipolarismo benfiquista. Leiam que vale a pena.